De janeiro até esta terça-feira (12), o número de mortes em casa aumentaram 10% no Maranhão, em relação ao mesmo período do ano passado, segundo o levantamento da Associação dos Registradores Civis de Pessoas Naturais (Arpen/MA). Mesmo com dados baseados nos registros feitos em cartórios de todo estado, não é possível saber exatamente se os óbitos têm relação com a pandemia do novo coronavírus (Covid-19).

"Não cabe a nós afirmar se tem a ver com a Covid-19. Logicamente, cabe aos órgãos governamentais analisar esses dados concretos e, a partir daí, criar novas políticas públicas, exames que possam constatar se as mortes foram por coronavírus", disse o presidente da Arpen/MA, Devanir Garcia.

Segundo o estudo, no Maranhão, a cada 100 pessoas, 30 morrem em casa. Mas o levantamento não indica se as mortes foram súbitas ou se foram de pacientes de alguma doença específica. De todo modo, especialistas orientam que a população fique atenta ao momento de procurar ajuda médica.

"No caso do coronavírus, o momento adequado seria no início dos sintomas. Então, quando a pessoa sentir sintomas leves como tosse seca, dor de garganta, corisa, febre, dor no corpo, isso já é um indicativo para procurar médico, seja presencial ou por vídeo. No caso do sistema público, o ideal é procurar as unidades básicas de saúde", explica a médica Gabriela Castro.