Com os votos dos ministros Luis Fuz, Alexandre de Moraes, Luis Roberto Barroso, Marco Aurélio de Mello e Gilmar Mendes, o Supremo Tribunal Federal acabou de vez com a mamata do sindicatos brasileiros com o fim do imposto obrigatório, aquele verba descontada anualmente do bolso do trabalhador.

Tido como um dos pontos prioritários da Reforma Trabalhista defendida e aprovada pelo Congresso Nacional no governo Michel Temer, o tema ainda despertava ações judiciais contra a medida.

Votaram a favor da manutenção do imposto os ministros Edson Fachin, Rosa Weber e Dia Toffoli.