Acabou o sonho da Argentina. Ao perder para a França por 4 x 3, neste sábado (30/6), na Arena Kazan, o time de Lionel Messi despede-se precocemente da Copa do Mundo da Rússia, no que pode ter sido a última pa
rtida de La Pulga pelo selecionado nacional.

E foi melancólico. Messi e o pobre futebol apresentado pela equipe não empolgaram em nenhum momento. A vontade foi pouco para superar a técnica e a juventude de França logo no primeiro jogo das oitavas de final do torneio. Os europeus mostraram que a juventude e o bom futebol coletivo valem mais do que mística, garra e a dependência de um camisa 10.

Messi na Argentina é como um oásis no deserto. Posicionado como atacante centralizado, pouco participou do jogo. A quarta Copa da carreira do camisa 10 é a que acaba mais cedo e poucos dias depois do aniversário de 31 anos do ganhador de cinco prêmios de melhor jogador do mundo. O destino dele com a camisa da seleção é incerto, ainda mais depois de um Mundial em que a seleção argentina viveu mais de tradição e menos de futebol.
O jogo.

O jogo, bastante disputado, começou com os franceses abrindo o placar com um gol de Griezmann, cobrando pênalti após falta em Mbappe. logo aos dez minutos de jogo, em Kazan, o jogador de 19 anos deu ótima arrancada, saiu da intermediária francesa e passou por vários adversários até ser derrubado por Rojo. Pênalti. Griezmann bateu com tranquilidade, ao deslocar o arqueiro argentino Armani, e abriu o placar para os franceses.

A França dominou a maior parte das ações na primeira etapa, em rápidos contra-ataques liderados por Mbappe, após, principalmente, lançamentos de Paul Pogba. A Argentina, claro, dependeu da genialidade Messi, mas a marcação em cima do craque do Barcelona foi intensa. Então, sobrou pra Di Maria. O atacante recebeu de Tagliafico e chutou de fora da área. A bola entrou no ângulo esquerdo de Lloris: comemoração com coração para a torcida. No segundo tempo, logo aos três minutos, após bola levantada sobre a área, Lionel Messi girou e bateu para o gol. Mercado deu um toque na bola para marcar, deslocando o goleiro.

A partir daí, a Argentina parou em campo e a França dominou a posse de bola e partiu para o ataque. O lateral Pavard chutou de três dedos, mandando uma bomba e marcando um golaço. Na sequência, após confusão na área, a sobrou para Mbappé, que deu um corte e bateu de perna esquerda, em cima do goleiro Armani, que deixou passar. Minutos depois, a bola sai do pé de Lloris, passa por Umtiti, vai para Matuidi, Kanté e Giroud até chegar em Mbappé, que na velocidade tirou do goleiro Armani, chutando no cantinho: 4 x 2 para os franceses.

No fim, Messi teve mais um lampejo de gênio e lançou na área. Kun Aguero, oportunista, testou com força para o gol de Lloris, que nada conseguiu fazer. No final, jogo truncado, catimba e confusão, mas não deu tempo para o empate. Argentina e Messi fora da Copa do Mundo na fase de oitavas de final.

Paixão

A paixão dos argentinos e o equilíbrio por vezes demasiado dos franceses em não jogar com intensidade fez a partida ser uma das melhores da Copa. O time de Messi vai embora nas oitavas sem poder reclamar. Jogou mal, teve formações confusas e foi para o primeiro mata-mata confiante de que ganharia somente pela garra.

O futebol venceu em Kazan. A França mais técnica e por vezes acomodada a ponto de permitir a virada, deixou o recado de que tem condição de ganhar a Copa. A equipe pode ser adversária do Brasil em uma eventual semifinal.