A sessão aberta que discute a reforma trabalhista foi suspensa nesta terça-feira (11) após confusão entre parlamentares no Senado. O presidente da Casa, senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), decidiu interromper a discussão do tema após cinco senadores da oposição ocuparem a mesa do plenário, onde fica a cadeira do senador, e se recusarem a deixar o local. Cerca de cinco minutos depois, as luzes do plenário foram parcialmente apagadas e os microfones desligados.

Desde o início da sessão, os cinco parlamentares, entre eles as senadoras Gleisi Hoffmann (PT-PR) e Lídice da Mata (PSB-BA), ocuparam a tribuna para discursar sobre o texto da reforma. Pelas regras do Senado, qualquer senador pode abrir uma sessão, desde que haja quórum.

De acordo com Cássio Cunha Lima, após o ‘apagão’, os senadores discutiam com Eunício Oliveira a possibilidade de a sessão ser transferida para o auditório Petrônio Portela, onde cabem mais pessoas que as galerias do Plenário. Eunício Oliveira convocou uma reunião no gabinete da Presidência com diversos senadores e líderes para tratar da retomada da sessão.

A assessoria de imprensa não confirma o que motivou o desligamento das luzes do plenário. Pelo Twitter, a senadora Gleisi Hoffman afirmou que haviam cortado “até a luz do Congresso e impedem a entrada de trabalhadores e sindicatos na Casa”. Enquanto isso, do lado de fora, o gramado em frente ao Congresso tem a presença de dezenas de sindicalistas.