Eu gosto de apreciar um bom açaí, fruto de nossa terra e que, depois de muitos anos, merece a valorização que está havendo no mercado interno e externo. Mas não é sobre isso que quero falar, e sim, sobre a mentira que alguns vendedores desse delicioso fruto impetram para enganar os clientes famintos que saem aos quatros cantos da cidade em busca de pelo menos um litro pra saciar sua fome desenfreada.

Sim, eu faço isso. Às vezes eu corto a cidade a procura do açaí que, pra mim, só serve tirado e batido no dia. Açaí de ontem é a maior furada, mas tem vendedor que vende gato por lebre e engana os pobres consumidores (eu por exemplo) que ás vezes só tem dinheiro para comprar um litro.

Hoje, por exemplo, mais uma vez fui enganado por uma vendedora inescrupulosa, que me recuso a dizer o nome para não dar prestigio a miserável. Comprei em seu estabelecimento um litro de Açaí, e fui pra casa feliz da vida por ter achado, e ao experimentá-lo o produto estava azedo. Eu disse azedooooooooo!

Sabe por que estou perdendo o meu preciso tempo em discorrer sobre isso com vocês agora? Porque eu fiquei extremamente zangado pois quando compro eu sempre faço a seguinte indagação: “O açaí é de hoje?” Existem alguns vendedores que são honestos e falam a verdade, mas tem meia dúzia de FILHOS DA MÃE que se negam a responder com sinceridade essa pergunta tão simples.


É lendo engano pensar que os corruptos estão apenas na política trancados nos gabinetes em Brasília, tem muita gente querendo se dar bem em cima da inocência dos outros nos lugares mais impensável da vida. Mas hoje não fui tão inocente assim. Eu voltei lá na venda de açaí, mas a pessoa que me vendeu não estava (Sorte dela) mas aqui fica o meu protesto e minha indignação aos vendedores que agem desta maneira. Vamos ser pobre, mas pelo menos vamos ser honestos, né?