Nem sempre a gente sabe os porquês da vida. São vários pontos de interrogação, tantas perguntas sem resposta: por que de tanta ansiedade? Por que tanta utopia? Por quê?... Por quê?... Por quê? Sabendo que logo ali tudo se evapora, deixa de existir, restando apenas nostalgia.

Uma dor profunda acende as mais doces amarguras. Existe doce amargura? Sim! Aquela que ninguém vê – só a gente sente – e finge que está tudo bem, no entanto, o fundo do poço está logo ali, pra quem está de além parece doce, porém quem está sentindo, é amargura, dar vontade de afoga-se e deixar de existi neste poço de ilusão.

Mas, fugir não resolve o problema, melhor do que isso e, esperar o desfeche do roteiro. Será que terá final feliz? Pode ser que sim, pode ser que não! Alguém se atreveu, quem sabe, escrever a palavra “FELIZ” no final da historia, ou quem sabe, já escreveram o contrario do já dito.

Esses mistérios que se escondem atrás da cortina da vida é que maltrata, dói, aflige e devora a gente pouco a pouco. A armadura até pode ser imbatível, mas chega o dia que o corpo não suporta. Adoece, morre e desaparece da existência.

Qual será o destino de todos nós? Não sabemos! Apenas caminhamos em direção a um futuro que nunca chega. Mas sempre está logo ali, no dia seguinte.

Que vida injusta e complicada!

RENATO