As igrejas evangélicas deviam ser unidas e trabalhem em conjunto para levar o maior número de pessoas a Cristo. No entanto, o que vemos é pastores fazendo declarações nada animadoras em relação ao outro: como assim? Proibindo seus crentes de participar de eventos da igreja concorrente.  Desculpe o termo, mas é assim que está caminhando a igreja, seu destino é se tornar um grande comercio, onde o produto valioso são as pessoas, principalmente as que possuem conta bancária alta. Isso tem levado os fiéis a terem um novo olhar sobre a instituição “igreja”, um olhar de desprezo, pelas atitudes nada amorosas dos seus líderes. E olha que sarcasmo: logo a igreja que prega o amor.

Nada contra aqueles que abrem igreja, é melhor do que abrir bares e bregas. Claro, existem alguns exageros para atrair fiéis, que na maioria, não deram certo em outras denominações, é o tipo de crente que vive pulando de galho em galho, igual macaco, nunca encontra o lugar certo. Mas, existem aquelas pessoas serias que realmente querem fazer a obra de Deus prosperar, não está escrito na testa, quem é pilantra ou quem é santo, o tempo se encarrega de dizer, por isso, não podemos julgar e sair atirando pedra sem antes temos certeza da integridade da pessoa.

O que na verdade eu quero dizer é que: o cristianismo está precisando de outra reforma. Ah se eu pudesse ressuscitar “Martinho Lutero” pra vim botar a casa em ordem novamente. Estamos precisando!... Chega de tanta bagunça em nosso meio, estou triste, casando, e tenho ânsia de vómito. Maranata, ora vem Senhor Jesus.

RENATO COSTA