Ontem ao adentrar a igreja a qual participo e na qual exerço alguns cargos, logo de cara vejo algumas pessoas que resolvi fazer uma brincadeirinha leve, mas que as irmãs não entenderam e como se não gostasse fizeram do meu pingo de água uma tempestade. Eu pára não fazer o circo pegar fogo, logo amenizei a situação e prometi pra mim mesmo, que com tais pessoas (nunca mais brincaria de modo nenhum), e quero ressaltar que minha brincadeira não foi dito para grego interpretar, ou seja, tava na cara que era de cunho amigável, mas infelizmente às irmãs não entenderam e eu, fiquei a procurar um buraco para enfiar a minha cabeça, mas não encontrei.

De modo que isso serviu para o idiota aqui não agir novamente assim sem antes perguntar se as pessoas topam participar da brincadeira, pois de outra forma está vetado essas atitudes da minha parte. Não que eu ache um absurdo! Mas, pra não causa outros constrangimentos como esse citado acima, é melhor prevalecer à cautela. Nesse episódio especifico ficou claro – e eu percebi de cara – que logo que cheguei uma das pessoas foram logo rebatendo sem pensar no que eu disse: isso prova que existem pessoas que agem com o instinto e não com o coração.

A verdade nua e crua – e tem que ser dita – é que existem muitas pessoas rancorosas vivendo em nosso meio, e por querer transparecer uma santidade fora do comum, além de se expor ao ridículo, erram mais do que acertam agindo dessa forma. É melhor mostrar os frutos da sua santidade, do que mostrar seu  orgulho nefasto aos outros que vêem apenas o exterior, mas se olhassem o interior poderia se surpreender com os mistérios escondidos.