Segunda-feira (22/08/11) aconteceu o casamento do pastor Francisco Martins e Maria do Rosário Leite Martins, foi uma festa linda, onde mais de trezentas pessoas tiveram o prazer de assistir a cerimônia religiosa e participar da recepção.

Eu e Cristina: que fomos convidados para organizar a festa, fizemos das tripas coração para o evento sair o melhor possível, e ao meu vê e sem usar o senso demagógico: melhor do que isso impossível! Ou seja, alcançamos a alvo pretendido! Quando faço referência no plural... Estou me referindo a todas as pessoas que se envolveram na mega festa - direta ou indiretamente.

Após todos os - disse me disse - que envolveram este enlaçar (e que não foram poucos) vou abrir minha boca grande e falar tudo que está engasgado lá dentro a respeito de certas pessoas que prefiro não mencionar o nome, mas que lhes faltou educação aos montes durante o evento.

Quero dizer que não vi tal cena... Mas me contaram em seus mínimos detalhes: Chegou aos meus ouvidos nos primeiros momentos da recepção que certa família havia ido embora porque não tinha cadeira vazias, sendo que os recepcionistas estavam colocando cadeiras reservas para os convidados sentarem. Mas esses não tiveram a delicadeza de esperar e saíram zangados do evento.

Quando soube de tal cena, finge que não escutei, pois depois de tantas conversas, fiz um pacto com meus ouvidos: o que entrasse de informação ruim por um lado, o outro tinha o dever de deixar passar pra não acumular ressentimento! Esse foi o método encontrado para não me estressar ainda mais... Pois eu já estava quase explodindo! A noite era pra comemorar a renovação, e não acumular raivas provocadas por pessoas que não se esforçaram nenhum pouco, apenas o de assistir e se deleitar nas iguarias servidas.

Houve outros pontos chatos que preferia esquecer -, como o caso das lembranças que foram sumindo aos poucos da mesa (claro que eram pra serem distribuídas), mas no momento certo e pelas pessoas competentes - mas isso não aconteceu, pois os convidados metiam à mão e levavam de cinco para suas mesas, sem falar nos outros doces que estavam expostos.

Se eu falar que não ouve erro no evento, serei o maior mentiroso da terra, pois falhamos em alguns pontos que prefiro ocultar, não por mim, mas pelas pessoas envolvidas que não merecem, pois se erraram foi tentando acertar, portanto, não devemos ver os erros onde existem mais acertos a serem contemplados.

Enfim... Tirando o que não presta o que sobrou foi sucesso! E isso é o mais importante em qualquer evento promovido. Seja simples ou glamouroso. O que vale mesmo é o valor final atribuído pelas pessoas importantes, e isso, ouvi muito, vindo dos quatro cantos do evento: “Parabéns! Tava lindo! Foi show! Sucesso!” - ouvi isso de pessoas que você admira - como diria a propagada da CRED CARD - Não tem preço!...

E não tem preço mesmo!

Até o próximo post.

RENATEX